Ano letivo começa na rede municipal de Nova Iguaçu

Com o começo do ano letivo na rede pública municipal de Nova Iguaçu, nesta segunda-feira (7), os gêmeos Davi e Lucas Alexandre da Costa Correia, de 11 anos, puderam reencontrar seus colegas de escola. Antes dos portões da Escola Padre Agostinho Preto, no bairro da Califórnia, abrirem, às 7h, eles estavam empolgados em rever os colegas.

“Estávamos ansiosos para voltar a estudar numa sala de aula. Aos poucos vamos nos acostumar com a rotina de não dormir tarde e acordar cedo. Estudar em casa é bom, mas na escola é muito melhor”, disse Davi, aluno do 6º ano, que, antes de entrar na sala teve temperatura aferida e higienizou as mãos com álcool em gel.

Como os gêmeos, outros 66 mil alunos voltaram às aulas nesta segunda-feira, em 131 escolas das 143 que compõem a rede municipal. As 12 unidades que ainda não voltaram com suas atividades estão passando por amplas reformas, que foram prejudicadas pelas chuvas nos últimos meses. Enquanto as aulas presenciais nessas escolas não começam, seus estudantes seguirão no ensino remoto, a exemplo dos dois anos letivos devido à pandemia da Covid-19.

“Foi muita emoção entrar nas salas de aula e ver que agora elas estão ocupadas por nossos alunos. Vi no rostinho de cada um a felicidade em voltar à escola”, afirmou a secretária de Educação de Nova Iguaçu, Maria Virgínia Andrade.

Mãe de Tiago Ferreira, de 14 anos, aluno do 8º ano da Escola Padre Agostinho Preto, Kátia Ferreira, de 33 anos, conta que o filho, vacinado com duas doses de vacina contra a Covid-19, não via a hora de estar com os colegas numa sala de aula. “Meu filho não escondia a felicidade em poder voltar a estudar presencialmente. O entusiasmo dele é tamanho que ele prometeu passar de ano com boas notas”, diz Kátia. “Para ele estudar em casa, tive que ficar em cima, cobrando bastante; Em casa, o aluno acaba não se concentrando muito”.

 

O protocolo sanitário adotado pela SEMED é o seguinte:

– Alunos e funcionários só entrarão nas escolas após terem a temperatura corporal verificada por termômetros digitais;
– O uso de máscara (a SEMED distribui 307.316 unidades em tecido duplo, 100% algodão) dentro das escolas é obrigatório;
– Dispensers de álcool em gel em todas as salas;
– 74 mil squeezes foram distribuídos para os alunos utilizarem nos bebedouros das escolas, que agora têm torneiras;
– Não permitir a permanência de pessoas sintomáticas nas unidades; e
– Separar uma sala ou uma área para isolar pessoas que apresentem sintomas na instituição de ensino até que possam voltar para casa.