Marchinhas e muita folia em Carnaval no Esmuti

Frequentadores do Espaço Municipal da Terceira Idade (Esmuti) de Nova Iguaçu caíram na folia e se divertiram com fantasias e muita marchinhas tradicionais nesta quinta-feira (28). ‘Allah-la Ô’, ‘Mamãe Eu Quero’, ‘Ó Abre Alas’, ‘A Canoa Virou’, ‘Daqui Não Saio’, ‘Jardineira’, não saíram da boca dos foliões. Com a presença dos blocos Rosa do Valverde e Boêmios da Alegria, cerca de 150 idosos participaram, com muita alegria, do baile promovido pela Secretaria Municipal de Assistência Social (SEMAS) no Esmuti, saboreando cachorro quente e muita fruta.

“Essa grande festa me fez voltar ao passado. O Carnaval era diferente, não tinha confusão, era só alegria. As marchinhas me lembraram da época de adolescência, quando me divertia muito. Deixei o sofá de lado e descansar agora só quando morrer”, brincou a foliã Rosângela Castro, de 62 anos, que foi para o Carnaval do Esmuti fantasiada de Mario Bros, personagem do mundo dos games.

De acordo com a secretária de Assistência Social, Elaine Medeiros, as atividades realizadas no Esmuti mexem com a autoestima dos idosos. “Todas elas têm o caráter da convivência e o fortalecimento do vínculo é tanto familiar como comunitário. Esses bailes fazem o idoso voltar ao passado, recordando a diversão da adolescência. Nossa proposta é trazer a cultura como garantia de direito. Hoje eles tiveram um dia de Sapucaí”, afirmou Elaine.

Presidente da Liga de Blocos de Nova Iguaçu, Carlos Henrique da Fonseca, o Carlinhos do Trailer, levou os blocos Rosa do Valverde e Boêmios da Alegria ao Esmuti e transformou o local numa grande passarela. “Teve muita marchinha e samba enredo de escolas de samba que marcaram época. Foram mais de 15 músicas. Nosso objetivo foi fazer o idoso se sentir numa passarela”, contou ele.

A aposentada Maria da Conceição, 85, foi fantasiada de Mulher Maravilha. “Não teve funk, nem essas músicas do momento. Foram todas da época que o carnaval era mais feliz, mais tradicional. Essa é a data que mais gosto. Aqui me senti jovem novamente”, comentou.

Diretor do Esmuti, Carlos Alexandre Rodrigues da Costa, lembrou que o espaço, que possui mais de 700 frequentadores mensalmente, conta com mais de 22 oficinas, como a de teatro, tai chi chuan, origami, aulas de língua inglesa e japonesa, hidroginástica, informática, atendimento de fisioterapia, entre outros.

O baile no Esmuti foi uma das atividades carnavalescas promovidas pela equipe da SEMAS em suas unidades de atendimento à população. Na quarta-feira (27), foi a vez dos frequentadores do Centro POP (Centro de Referência Especial para Pessoa em Situação de Rua) caírem no samba. Além de se divertirem, eles também participaram de uma ação social que envolveu palestras sobre a história do carnaval, desde a Grécia antiga até se tornar a festa mais popular do Brasil. Com sambas e marchinhas como exemplo, eles compreenderam que muitos dos temas são ligados às questões sociais.