Alunos de escola de Nova Iguaçu participam do projeto “Escolas Seguras”

Dois minutos e 22 segundos. Esse foi o tempo que os alunos da Escola Municipal Professora Emílio Pedroso Araújo, no Centro de Nova Iguaçu, levaram para deixar a unidade durante uma simulação de desocupação de emergência, na manhã desta sexta-feira (10). A ação, que faz parte do projeto “Escolas Seguras: Desenvolvendo a Resiliência através da Educação”, tem como objetivo tornar as escolas mais seguras por meio do desenvolvimento de uma cultura de prevenção e percepção de riscos a desastres.

A escola foi a segunda unidade da rede municipal a receber o projeto Este ano. A última edição do “Escolas Seguras”, interrompido durante a pandemia da Covid-19, foi em 2019. Ao longo da semana, alunos e funcionários participaram de palestras, oficinas e simulações de desocupação.

“Esse projeto leva a ideia da prevenção para as escolas municipais. Durante toda a semana de atividades fazemos palestras com instruções, ensinamentos e capacitação para as crianças, mostrando a elas a sinalização de rotas de fugas. Elas são treinadas para desocupar o imóvel em caso de incêndio com organização e segurança. Os alunos evacuaram a escola em tempo recorde”, comemorou o secretário de Defesa Civil de Nova Iguaçu, Jorge Ribeiro Lopes.

Durante a simulação de desocupação de emergência, cerca de 300 alunos da escola, nos turnos da manhã e tarde, além de funcionários, ao ouvirem a sirene, saíram da unidade de forma organizada. A diretora Kelly Marinho aprovou a iniciativa e acredita que os alunos possam se tornar multiplicadores dentro de casa.

“Os alunos entenderam na prática a forma de como evacuar um prédio em caso de incêndio. Eles também podem ensinar seus pais a ficarem atentos com uma rachadura na parede de casa, por exemplo. Vou pedir para esse projeto vir aqui na unidade todo mês. Foi bem aceito por todos”, destacou a diretora.

O pequeno Miguel Pinto Rocha, de apenas 5 anos, disse que, após ter passado a semana com agentes da Defesa Civil, já escolheu sua profissão.

“Quero salvar vidas. Vou ser bombeiro ou trabalhar na Defesa Civil”, contou animado.

O projeto “Escolas Seguras” já foi realizado em 24 instituições de ensino da rede municipal, capacitando mais de 10 mil alunos e cerca de mil funcionários e professores. Em maio, a ação foi feita na Escola Municipal Campo Alegre. O programa ainda vai passar pelas escolas Paulo Roberto Fiorenzano, E. M. Jaceruba, CAIESP Castrolina Faria Lima, CIEP 187 – Benedito Laranjeiras e Casa da Criança de Miguel Couto.