Agentes da Prefeitura de Nova Iguaçu emitiram 25 autos de embargos em festas clandestinas no carnaval

Em cinco dias de carnaval, a Superintendência de Controle Urbano da Prefeitura de Nova Iguaçu emitiu 25 autos de embargo, impedindo a realização do evento ou determinando sua imediata interrupção, com os responsáveis e idealizadores dos eventos sendo multados. Agentes coibiram e fiscalizaram festas e blocos de carnaval, realizados, na maioria das vezes, no período da noite e madrugada. Para que as denúncias fossem feitas, foi disponibilizado o número 2666-0175 ou o 190 da Polícia Militar. Mesmo com o fim do carnaval, as fiscalizações para coibir aglomerações vão continuar.

Ainda foram emitidos uma notificação e dois autos de apreensão. Todas as mercadorias apreendidas, como mesas, cones, cadeiras e lonas, que foram discriminadas e registradas, estão armazenadas no depósito da Superintendência. Diariamente, pelo menos dez agentes fizeram rondas preventivas pela cidade, principalmente em grandes centros. Ao todo, a Superintendência recebeu 63 denúncias.

“Todas as denúncias foram checadas, mesmo aquelas que pessoas fizeram falsamente. Vamos continuar fazendo rondas preventivas para coibir festinhas e eventos de aglomeração”, garantiu o superintendente de Controle Urbano, Evandro Frossard, comentando que em alguns locais, a aglomeração foi dispersada somente com a chegada das equipes da Prefeitura e da Polícia Militar.

Agentes da Superintendências fizeram ações nos bairros Centro, Prata, Jardim Tropical, Caonze, Engenho Pequeno, Santa Eugênia, Vila de Cava, Miguel Couto, Cerâmica, Tinguá, Santa Rita, Austin, Comendador Soares e Corumbá. Vale ressaltar que nenhuma atividade festiva em locais públicos foi autorizada pela gestão municipal.

Para a fiscalização, a Prefeitura contou com a parceria com policiais do Programa Estadual de Integração na Segurança (PROEIS). Em caso de flagrante de festa de rua , o organizador será notificado e, se persistir com o evento, poderá ser encaminhado à delegacia pela Polícia, onde deve responder pelo crime de desobediência. Se o evento acontecer em espaço particular, o dono do imóvel pode ser multado e ter o alvará cassado. Todas as ações são filmadas.