Nova Iguaçu faz doação de prótese de alpiste para mulheres com câncer de mama

“Depois que passamos pela retirada da mama por causa de um câncer, manter a autoestima é mais um desafio a ser superado”. Este é o desabafo de Hélica Silva Catarino Verediano. Há três anos ela descobriu o câncer de mama e precisou fazer uma mastectomia. Para ajudar na autoestima dela e de outras mulheres iguaçuanas, a Prefeitura de Nova Iguaçu está doando mamas de alpiste. Nesta quarta-feira (8), foi feita a entrega para algumas mulheres, na Secretaria Municipal de Saúde, no Centro.

Cada mama foi confeccionada em medidas diferentes para se adaptar ao tamanho de cada mulher de acordo com o número do sutiã. As próteses são feitas com sementes de alpiste e cobertas por meia de náilon. Podem até ser usadas na praia e piscina, desde que protegida por um preservativo masculino.
São 100 pares de mama de alpiste que foram fabricadas por funcionárias da Casa do Sabão e mulheres do projeto Peito Aberto. O alpiste usado na produção foi doado pela empresa Granfino. A captação dessas mulheres ocorre por busca ativa da Secretaria de Saúde ou a pessoa pode ir direto ao Programa de Atenção Integral a Saúde da Mulher de Nova Iguaçu, que fica na rua R. Antonio Wilman, 230 – Moquetá.

“Elevar a autoestima dessas mulheres é essencial até mesmo auxiliando no quadro clínico. Em Nova Iguaçu, o combate ao câncer de mama é feito o ano inteiro, com trabalho de conscientização para o diagnóstico rápido e acesso fácil ao exame de mamografia, que pode ser agendado direto nos postos de saúde”, disse o secretário de Saúde, Manoel Barreto.

A história de superação de Hélica Silva, moradora do bairro da Cerâmica, não se resume em vencer o câncer. Durante os exames para cirurgia ela descobriu que estava grávida do pequeno Gustavo, de onze meses. Hélica, que fazia o acompanhamento no Hospital Geral de Nova Iguaçu, foi encaminhada para o Instituto Nacional do Câncer (INCA) para continuar o tratamento e a gestação em uma unidade especializada em oncologia.

“Descobri o câncer em 2017. O processo de descoberta da doença, fazer os exames para dar início ao tratamento e a cirurgia foi bem rápido. Já estava grávida e não sabia. Essa agilidade salvou a minha vida e do meu filho. Essa semana recebi alta e agora, é só ser feliz e fazer o acompanhamento a cada seis meses”, emociona-se.

Em Nova Iguaçu, as consultas com oncologista e mastologista são realizadas no Centro de Atenção à Mulher (CAV) e em alguns casos mais específicos, no ambulatório do Hospital Geral de Nova Iguaçu. A marcação é feita nos postos de saúde com agendamento feito pela Central Municipal de Regulação.
O câncer de mama é o tipo da doença mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil. Em 2018, segundo estimativas do Ministério da Saúde, foram 59.700 casos em todo o país, 29,5 % do total de câncer registrados em mulheres. A doença é causada pela multiplicação desordenada de células da mama. Esse processo gera células anormais que se multiplicam, formando um tumor. De acordo com informações do INCA, há vários tipos de câncer de mama. Por isso, a doença pode evoluir de diferentes formas. Alguns tipos têm desenvolvimento rápido, enquanto outros crescem mais lentamente. Esses comportamentos distintos se devem a característica próprias de cada tumor. Por isso, é importante sempre as mulheres manter o acompanhamento médico.