Saúde debate a prevenção da gravidez na adolescência

Em alusão ao Dia Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência, comemorado nesta sexta-feira (1), a Secretaria Municipal de Saúde de Nova Iguaçu (SEMUS) promoveu um conjunto de ações educativas sobre a importância do uso dos métodos preventivos, através de um bate-papo com adolescentes que deram à luz recentemente na Maternidade Mariana Bulhões.

Os médicos residentes da maternidade conversaram sobre o uso correto dos métodos contraceptivos e reforçaram sobre a importância do uso do preservativo como a melhor forma de evitar o surgimento de doenças sexualmente transmissíveis. Também entregaram materiais informativos sobre os métodos contraceptivos acessíveis através da rede pública de saúde.

Em 2018, Nova Iguaçu registrou 1.813 casos de gravidez na adolescência. O número é 30% maior que a quantidade de grávidas entre os 30 e 35 anos no mesmo período. Para reduzir estes índices e investir na saúde do adolescente, o município conta com o Programa de Planejamento Familiar, que funciona nas unidades básicas de saúde. “A adolescente participa do grupo de planejamento familiar com a equipe de saúde, faz consultas de rotina com uma equipe multidisciplinar, recebe orientações sobre métodos contraceptivos e realiza acompanhamentos na unidade, focando na prevenção”, explica Alicia dos Santos, Coordenadora da Saúde da Mulher, Criança e do Adolescente da SEMUS. Segundo ela, o programa não é só para mulheres. “É fundamental que o homem participe, pois ele também precisa ter conhecimento das formas de prevenção e ser orientado que o uso da camisinha é fundamental”, destaca Alícia.

De acordo com a médica Elaine Pontes, que coordena os residentes de ginecologia que atuam na Mariana Bulhões e no Hospital Geral de Nova Iguaçu (HGNI), é importante atentar não só para a gravidez na adolescência, mas também às formas de evitar uma segunda gestação. “Não é incomum receber adolescentes grávidas que o filho ainda vai fazer um ano. E para evitar a gravidez subsequente, é importante que essas jovens tenham acesso a orientações, informações e, principalmente, façam suas consultas nas unidades de saúde. A prevenção é uma questão de saúde pública”, explica.

Mesmo atenta à prevenção, a jovem Tainá Lírio, de 17 anos, acabou engravidando pela primeira vez. Ela deu a luz a Bryan na última terça-feira (29), e ao lado da mãe, Luciana Lírio, de 42 anos, assistiu e interagiu com as conversas. “Vou me consultar, fazer parte do programa, pois quero colocar o DIU. Essas orientações são importantes para as meninas da minha idade, já que muitas não conhecem os métodos de prevenção”., disse Tainá. Depois do sonho de ser mãe, vem o profissional. Agora, a jovem pensa em retornar aos estudos para se formar em advogada. A mãe vibrou com a determinação da filha. “Vou sempre estar aqui por ela e agora pelo meu netinho. Quero ver seu sucesso profissional”, conta emocionada.